Pages

sábado, 22 de março de 2014


Quem me roubou de mim?

Esse é o título de um livro que li há algum tempo.

Hoje me sinto assim. 

Sofrendo pela violência do roubo dos meus sonhos, dos meus objetivos, do meus hábito, do meu EU.

Quem me roubou de mim?

Roubou violentamente mas sem identificação para que eu não pudesse implorar pela devolução.

Roubou silenciosamente para que outros não pudessem me socorrer.

Roubou sorrateiramente para tirar de mim toda possibilidade do reencontro.

A correria, a turbulência, o excesso de compromissos, a falta de tempo me fez alguém que não reconheço.

Hoje procurei por mim e encontrei apenas resquícios do que um dia fui e são essas migalhas que me alimentam para recomeçar a busca.

Sonho....       Vou te encontrar.

Objetivo....   Vou de alcançar.

Hábito....      Vou te solidificar.

E assim meu EU voltará para mim.

Voltei, pois aqui talvez possa reencontrar meu EU.